No Amazonas, Bolsonaro ignora mortes de Bruno e Dom em motociata e evento evangélico

 

Em passagem pelo Amazonas neste sábado, 18, o presidente Jair Bolsonaro promoveu uma motociata e participou de um evento evangélico sem citar os assassinatos do indigenista Bruno Pereira e do jornalista britânico Dom Phillips no Estado. A visita ocorre quatro dias após a confirmação dos crimes na região do Vale do Javari, no extremo oeste do Amazonas.

De acordo com informações do jornal O Estado de São Paulo, a motociata, iniciada por volta das 16h30, percorreu todas as zonas da capital Manaus. Segundo a Polícia Militar do Amazonas, 10 mil motocicletas participaram do passeio realizado por Bolsonaro mais uma vez sem o uso de capacete, item de segurança obrigatório de acordo com a legislação nacional de trânsito.

Pelas imagens divulgadas pelas redes sociais do presidente e também de apoiadores é possível notar que, diferentemente da imensa maioria dos motociclistas que o acompanharam no percurso, apenas ele e seu garupa não usam o equipamento. Bolsonaro deu carona ao coronel do Exército Alfredo Menezes (PL), pré-candidato ao Senado pelo Amazonas. Menezes afirma ser amigo pessoal de Bolsonaro e sua família.

Após a motociata, conforme o Estadão, o presidente esteve no evento evangélico Fruto Fiel, realizado no Centro de Convenções de Manaus. Lá, em breve discurso, Bolsonaro disse que o governo federal tem atuado para estimular a produção e o comércio de motos no País. “Determinei ao então ministro Tarcísio que em toda rodovia federal licitada ou relicitada o pedágio para motociclista deveria ser zerado. Hoje, na (Via) Dutra, não se paga mais pedágio. Desta forma, estimulamos o uso deste veículo.”

Ao mencionar a Zona Franca de Manaus, Bolsonaro citou eventual cobiça de estrangeiros na Amazônia. “A zona franca é de 1967, (do governo de) Castelo Branco. O primeiro presidente militar, não seria eu – o sexto – capitão de Exército, que trataria de forma diferente a Zona Franca de Manaus, em grande parte, responsável por manter a Amazônia brasileira longe da cobiça internacional”, disse.

Ainda de acordo com o impresso, o presidente finalizou o discurso ao público evangélico citando pautas de costume. “Obrigado por serem contra o aborto, por serem contra a ideologia de gênero, por serem contra a liberação das drogas e, cada vez mais, por defender os valores familiares.”

COMPARTILHAR