JURANDY FELICITA CAPIM GROSSO, RAFAEL JAMBEIRO, JAGUARIPE E PINTADAS

Os municípios de Capim Grosso, Rafael Jambeiro, Jaguaripe e Pintadas, que comemoram emancipação política no mês de maio, foram homenageados pelo deputado Jurandy Oliveira (PP), através de moção de aplausos apresentada na Assembleia Legislativa.

“A emancipação de Capim Grosso envolveu plebiscito público e manifestação popular por uma independência ‘velha mãe’ (como era conhecida Jacobina). Nessa linha, em 9 de maio de 1985, o município foi emancipado, sendo o primeiro prefeito da cidade Cesiano Carlos do Nascimento”, anotou Jurandy, destacando ainda aspectos geográficos, históricos e culturais.

O deputado citou a barragem de Pedras Altas, que abastece 14 municípios e mais de uma centena de localidades. “É incontestável que a emancipação de Capim Grosso representa um momento de grande importância no cenário baiano, razão pela qual é um privilégio parabenizar os capim-grossenses nesse momento de alegria”, afirmou.

No tributo a Rafael Jambeiro, localizado na bacia do Paraguaçu, ele relatou as lutas em prol de sua emancipação, que se intensificaram em novembro de 1984, quando foi apresentado o primeiro plebiscito com a proposta de agrupar os distritos de Argoim e Paratigi; Rafael Jambeiro foi elevado à categoria de município, por meio da lei estadual nº 4447, de 9 de maio de 1985, sendo que em 1º de janeiro de 1986 ocorreu a instalação oficial do município.

“É uma imensa satisfação festejar um dos capítulos mais importantes da história de Rafael Jambeiro, que se desenvolveu pelo constante trabalho e empenho dos jambeirenses, responsáveis pela formação de um vasto legado cultural, educacional, esportivo e político. Ressalte-se, inclusive, que, na economia, o município tem como referência a feira livre que ocorre toda segunda e terça, na Praça Luís Eduardo Magalhães, conhecida popularmente como Praça do Comércio ou Praça da Feira”, descreveu o legislador.

Jaguaripe, com aproximadamente 19 mil habitantes, foi o primeiro município criado no Recôncavo baiano – lembrou Jurandy Oliveira – à época denominada Vila de Nossa Senhora da Ajuda de Jaguaripe. Ele registrou que a cidade chegou a ser extinta em julho de 1931 e anexado como subprefeitura do município de Aratuípe, mas ainda neste mesmo ano, após luta intensa da população, foi elevado à categoria de cidade por força da Lei Estadual de 12/05/1899.

O deputado ressaltou, entre outros aspectos, a culinária típica da região, baseada em frutos do mar; a produção de embarcações de saveiros, canoas de madeira do Recôncavo baiano, miniaturas de embarcações em entalhe de madeira, confecção de redes e de esteiras de tala de dendê; as trilhas em meio à Mata Atlântica “e demais encantos culturais também compõem o cenário jaguaripense”.

A celebração da emancipação de Pintadas – descreveu o progressista – é realizada com uma programação diversificada, composta de torneios, noite de louvor, atividades esportivas, atrações musicais, show de talentos, momento cívico, dentre outros.

O parlamentar contou a origem do município em um terreno denominado “A Lagoa do Bamburrá”, de propriedade de Manoel Gonçalves de Almeida e de sua esposa, Anastácia Gonçalves. Depois falou sobre a economia, destacando a agropecuária, com ênfase especial na bovinocultura e na ovinocultura, a criação de animais e da agricultura de subsistência, definindo o município como um exemplo exitoso de cooperativismo e associativismo comunitário. 

“É incontestável que a emancipação de Pintadas representa um momento de grande importância no cenário baiano, razão pela qual é um privilégio parabenizar os pintadenses nesse momento de alegria”, concluiu Jurandy Oliveira. 

COMPARTILHAR