Bolsonaro: “Moro passou a achar que era o dono do ministério”

O presidente Jair Bolsonaro (PL) voltou a criticar, ontem, o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro

O presidente Jair Bolsonaro (PL) voltou a criticar, ontem, o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro (Podemos), possível adversário no pleito eleitoral deste ano. O chefe do Executivo afirmou que o ex-juiz achava que “era o dono do ministério” e repetiu que?o ex-juiz?tentou trocar uma indicação dele ao Supremo Tribunal Federal (STF) pela substituição do então diretor-geral da Polícia Federal (PF), Maurício Valeixo. As declarações ocorreram durante entrevista à?Jovem Pan.? 

“A questão da PF eu achava que tinha que ser dessa maneira. Outras questões foram aparecendo no meio do caminho e ele não admitia isso daí, era tudo dele. No início do governo, ele botou lá no Conselho uma senhorita, a Ilona Szabó, que quando eu vi disse: essa senhora não tem nada com o que a gente defende, as posições dela são bastante progressistas. Não interessa essa pessoa no nosso meio. ‘Ah, mas tem que ter um contraponto’. Falei: ‘Moro, contraponto já tem a imprensa. Não tem que colocar gente lá para dar pancada em você, para pegar coisa lá e jogar na imprensa’. Levei três dias para demitir essa mulher. Ele passou a achar que era o dono lá do ministério”, relatou.?? 

De acordo com as pesquisas recentes, Moro é o pré-candidato que?tem chances de atrair votos de eleitores da alta mais conservadora e que tendem a votar em Bolsonaro.?? 

O presidente contou que acreditou?no ex-ministro no começo do governo. “Inclusive, na véspera da demissão, quando ele esteve comigo, ele disse que aceitava mandar embora o diretor-geral [da PF] só em setembro, quando eu o indicasse ao Supremo. Que petulância. Eu confesso que acreditei desde o começo, como muita gente acreditou. Ele foi do meu governo para fazer trabalho sério, para se blindar ou para se preparar para ser futuro candidato a presidente da República. Tem três alternativas. Não deu certo. Tirei ele fora. Tinha que tirar”, acrescentou. 

Por fim, o presidente disse achar que “a maior parte da população tem consciência da importância do voto”. 

?Fonte: Correio Braziliense 

COMPARTILHAR