Rede de solidariedade produz 50 mil máscaras do tipo Face Shield

As máscaras foram doadas aos profissionais de saúde dos hospitais públicos da Bahia

Cinquenta mil máscaras do tipo Face Shield são produzidas a partir do molde para injeção do plástico doado pelo projeto CoronaVidas, que une indústrias, gestores públicos e sociedade civil no enfrentamento ao novo Coronavírus. Participante da parceria, a Braskem forneceu a resina plástica para fabricação do equipamento, que será doado para a rede pública de saúde de Salvador e interior da Bahia.

A matéria-prima foi encaminhada pela Braskem para a Injeplast, indústria de artefatos plásticos, responsável pela produção do equipamento, que cria uma barreira mecânica contra respingos. A máscara Face Shield evita o contato com gotículas de salivas e fluídos nasais que possam atingir a equipe durante o tratamento de pacientes com Covid-19. “Acreditamos no impacto positivo da tecnologia e das soluções da química e do plástico no enfrentamento do novo Coronavírus. Com as máscaras, podemos contribuir para a proteção dos profissionais de saúde, que estão na linha de frente e precisam de todo apoio possível”, disse Carlos Alfano, Diretor Industrial da Braskem na Bahia.

Além da Bahia, o projeto CoronaVidas reúne iniciativas no Rio de Janeiro, São Paulo, Amazonas e Mato Grosso do Sul. Todo o material produzido pelo projeto é fruto de doações e é destinado às unidades de saúde desses estados.  “Consideramos que prevenir é melhor que remediar e a ajuda do CoronaVidas segue essa máxima – a da prevenção”, explica o professor e pesquisador do Instituto Federal da Bahia (IFBA), Fábio Barreto, voluntário do projeto. “A pandemia tem exigido uma tomada de decisão rápida e uma postura criativa frente aos desafios que está impondo à sociedade. Nesse momento em que temos de ficar separados – isolados socialmente – estaremos juntos, de mãos dadas, trabalhando coletivamente, mas com uma unidade que pretende vencer essa guerra”, complementa Antônio Cordeiro, professor do Instituto Federal da Bahia (IFBA) e Unopar Candeias, que também atua na iniciativa.

COMPARTILHAR