Major Denice passa em primeiro teste de fogo no PT

A major Denice Santiago enfrentou bem a primeira prova de fogo ao ser apresentada pela primeira vez diante da militância como pré-candidata do PT a prefeitura de Salvador durante o lançamento do Programa de Governo Participativo (PGP), na Faculdade de Arquitetura da UFBA, no sábado. “Hoje foi um dia emblemático para a minha vida, em que me senti incluída, um dia em que vi como essa militância é forte e determinada. Um dia em que a gente sai cada vez mais consciente que a única forma de transformar essa cidade é através desse partido”, declarou. A integrante da Polícia Militar da Bahia demonstrou simpatia ao posar para centenas de selfies antes e depois do encontro, que contou com a ilustre presença do governador Rui Costa (PT). Uma grande fila de correligionários se formou próximo ao palco onde a baiana se encontrava. Todos em busca do primeiro registro ao lado da provável candidata da sigla em 2020.

O governador negou que as críticas possam prejudicar sua candidata. “Não é de hoje, desde que assumi em 2015, e sempre digo isso, que quando olho para policiais civis ou militares, não enxergo a farda ou distintivo, enxergo ali um pai ou mãe de família que fez um concurso público, que trabalha arduamente para prestar um serviço à sociedade. É assim que enxergo e acho que não terá nenhuma dificuldade”.

Questionado se a criadora da Ronda Maria da Penha já tem maioria na legenda, ele se esquivou. “Sobre essa questão do partido é melhor a direção do partido falar, prefiro não fazer comentários sobre as decisões internas. É aguardar o próximo dia 21 que é quando se dará a decisão. Hoje considero um dia extremamente importante que qualquer pessoa que pleiteia um grupo político, a gestão de um município, tem que chamar a população para elaboração do plano de governo, ouvir a sociedade e montar um programa que responda os principais anseios da população. É a largada”, defendeu.

No próximo dia 21 de março, o partido reunirá seus delegados para finalmente definir quem será o candidato oficial. Além de Denice, disputam a vaga Vilma Reis, Juca Ferreira, Robinson Almeida e Fabya Reis – nos bastidores circula a informação que os dois últimos retirarão seus respectivos nomes no dia do evento.

Vilma revelou os motivos que a levam a mante-se no páreo mesmo diante das informações de que Denice já tem apoio majoritário da sigla. “Sou uma militante de esquerda que defende uma agenda de direitos humanos. Hoje, no dia 14 de março, dia do assassinato de Marielle Franco, a maior dignidade que podemos ter é lutar para defender esse partido como partido de esquerda e instrumento de luta da classe trabalhadora”, ressalta.

Sem fazer referência direta a major, a socióloga alfineta: “Não achamos que o partido tem dono e continuamos com a nossa posição contra a militarização da política. Isso para a gente é fundamental em um Estado em que temos o status que nós temos. Numa cidade em que as nossas mães negras vivem apavoradas, não podemos recuar um milímetro do que nós acreditamos”. O deputado estadual Jacó, que representa a corrente do PT de Todas as Lutas, disse que as disputas internas do Partido são naturais no processo que deve homologar o nome da major Denice Santiago como pré-candidata a prefeita de Salvador no encontro de delegados. Ele lembrou que, em 2002, Lula enfrentou Eduardo Suplicy nas prévias do PT antes de ser eleito presidente do País.

“Dentro do PT as disputas são naturais. Todo o processo está sendo cumprido, as forças políticas se movimentando, mas uma coisa que ninguém pode acusar é que o PT não é um partido democrático, que não ouve as pessoas”, afirmou o vice-líder da bancada do PT na Assembleia Legislativa da Bahia.

COMPARTILHAR