Devotos lotam santuário de Irmã Dulce em dia de homenagem à beata baiana: ‘Sempre foi santa pra nós’

Devotos e admiradores da vida e obra de Irmã Dulce lotaram, na manhã desta terça-feira (13), o Santuário da Bem-Aventurada, localizado na Cidade Baixa, em Salvador.

Desde que foi beatificada, em 2011, o dia de Irmã Dulce é celebrado em 13 de agosto. Isso porque foi em 13 de agosto de 1933 que ela recebeu o hábito de freira e adotou o nome pelo qual ficou conhecida.

Uma multidão acompanhou a missa solene em homenagem à beata, que se tornará santa em 13 de outubro deste ano. Além dos devotos, também estiveram no santuário autoridades como o vice-prefeito de Salvador, Bruno Reis e a superintendente das Obras Sociais Irmã Dulce, Maria Rita Lopes Pontes.

Antes mesmo do início da celebração religiosa, alguns fiéis se aproximaram da imagem de Irmã Dulce e, aos pés da escultura, fizeram orações.

A missa solene desta terça foi celebrada pelo arcebispo de Salvador e primaz do Brasil, Dom Murilo Krieger.

“Irmã Dulce tinha uma preocupação: ela quis que as portas do Hospital Santo Antônio sempre estivessem abertas aos enfermos, aos pobres e às crianças. Irmã Dulce fundou uma obra de amor. Sua preocupação era os pobres. Ela aprendeu que o amor precisa de organização. O que ela não queria era que pessoas tão pobres não tivessem o mínimo para uma vida digna, humana. Nós precisamos ajudar os pobres. Precisamos de muitas Irmãs Dulces”, disse Dom Murilo.

Quem também esteve presente na cerimônia foi Maurício Moreira, homem que foi agraciado com um milagre de Irmã Dulce. Ele voltou a enxergar após 14 anos cego.

Foi o reconhecimento deste milagre que fez com que fosse anunciada a beatificação de Irmã Dulce.

“A ficha não caiu ainda. Fiquei 14 anos sem enxergar e sem expectativas de voltar. Me sinto multiplicador e divulgador da fé dela. Sempre fomos [ele e a família] devotos dela. Minha mãe sempre orou para ela. Pena que ela não está aqui hoje para ver tudo isso”, disse Maurício.

A cantora Margareth Menezes e o músico Waldonys, que estarão na cerimônia de beatificação, no Vaticano, também participaram da celebração desta terça-feira e, juntos, cantaram o hino a Irmã Dulce.

Os devotos que estiveram na missa nesta terça falaram sobre a importância de Irmã Dulce para os baianos e da emoção de uma religiosa, que esteve tão próxima das pessoas na atualidade, se tornar santa.

“Eu não tenho nem palavras para explicar o que é Irmã Dulce na minha vida. Eu só tenho o que agradecer a ela. Ela sempre foi santa pra nós, só estão colocando um título para ela e nós [os fiéis] estamos muito emocionados. Eu, particularmente, estou contando os dias e as horas para a canonização”, disse a bordadeira, Raimunda Ferreira Lima.

A também fiel, a auxiliar de produção Valdelice da Luz Souza Santos, falou sobre Irmã Dulce.

“Conheci Irmã Dulce antigamente, quando ela ia nos Alagados [local de palafitas no bairro de Itapagipe, em Salvador]. Só temos que agradecer. Grande mãe e santa que temos que agradecer”, disse Valdelice da Liz Souza Santos.

Ao final da missa, integrantes do santuário levaram até o altar e entregaram nas mãos de Dom Murilo a relíquia de Irmã Dulce, uma peça para veneração dos fiéis que contém o pedaço do osso do corpo de Irmã Dulce.

Celebração

A missa desta terça-feira faz parte da programação festiva em homenagem a Irmã Dulce, que ainda contou com uma novena, iniciada no domingo (4) e que seguiu até segunda-feira (12).

Esta edição da festa em honra à Bem-Aventurada tem como tema “Irmã Dulce, uma santa do nosso tempo. Somos todos chamados à Santidade, e só os santos podem renovar a humanidade”.

Quando se tornou freira, Irmã Dulce era membro da Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, no Convento de Nossa Senhora do Carmo, na cidade de São Cristóvão, em Sergipe.

De acordo com as Obras Sociais Irmã Dulce, o Papa Francisco promulgou, no dia 13 de maio deste ano, o decreto que reconhece o segundo milagre atribuído à Irmã Dulce, e assim se cumpriu a última etapa do processo de canonização da beata baiana. O Vaticano anunciou a canonização da beata no dia seguinte, 14 de maio.

Fonte: G1.

COMPARTILHAR